Todos aqueles que possuem sentimentos nobres como amor, solidariedade, humildade e principalmente caridade são bem vindos.
Precisando conversar e/ou receber um passe energético (benzer) estou à disposição todos os dias, para jogar cartas (ler a sorte) somente com hora marcada.
Cobro apenas para ler as cartas R$ 70,00, para manutenção de nossa casa. Qualquer outro tipo de consulta não pode ser cobrada pois na verdadeira caridade não se coloca preço, a verdadeira caridade quem paga é Deus.
Endereço: Rua 22 nº 281 Jardim Morada do Sol Indaiatuba - SP
trabalho assistencial toda sexta feira às 20:00
telefone: 19 995829299
email: d12edani@gmail.com
PEÇO POR GENTILEZA QUE NÃO VENHAM ME PROCURAR PARA FAZER AMARRAÇÃO OU MAGIA BAIXA NÃO ACEITO FAZER ISSO POR DINHEIRO NENHUM DO MUNDO
AGORA SE FOR PRA DESMANCHAR AMARRAÇÃO OU MAGIA BAIXA VENHA CONVERSAR COMIGO

Receba as novidades por email

Translate

quarta-feira, 26 de maio de 2010

SALVE SANTA SARA KALI 24 DE MAIO

Por volta dos anos 50 d.c, uma embarcação cruzou os mares a partir de terras Palestinas levando a bordo para fugir das perseguições de Roma aos primeiros cristãos, um grupo de personagens bíblicos:Maria Jacobina ou Jacobé, irmã de Maria, mãe de Jesus, Maria Salomé, mãe dos apóstolos Tiago e João, Maria Madalena, Marta, Lázaro, Maximinio e Sara, uma negra serva das mulheres santas.
Eles foram atirados ao mar, numa barca sem remos e sem provisões.
Desesperadas, as três Marias puseram-se a orar e a chorar. Aí então Sara retira o diklô (lenço) da cabeça, chama por Kristesko (Jesus Cristo) e promete que se todos se salvassem ela seria escrava de Jesus, e jamais andaria com a cabeça descoberta em sinal de respeito. Milagrosamente, a barca sem rumo e à mercê de todas as intempéries, atravessou o oceano e aportou com todos salvos em Petit-Rhône, hoje a tão querida Saintes-Maries-de-La-Mer. Sara cumpriu a promessa até o final dos seus dias.
Então nasceu a tradição de toda mulher cigana casada usar um lenço que é a peça mais importante do seu vestuário: a prova disto é que quando se quer oferecer o mais belo presente a uma cigana se diz: Dalto chucar diklô (Te darei um bonito lenço).

Kali, em sânscrito quer dizer negra, e foi acrescentado ao seu nome devido a cor bem morena de sua pele.
Sua história e milagres a fez Padroeira Universal do Povo Cigano, sendo festejada todos os anos nos dias 24 e 25 de maio. Ocorre procissão e festejos com banhos no mar. A imagem de Santa Sara é vestida de azul, rosa, branco e dourado, adornada de flores, jóias e lenços coloridos e levada para as águas do mar. Após o banho de mar, a imagem, volta ao altar onde os que participaram da procissão possam pedir suas graças.
Muitos buscam nos olhos de Santa Sara a obtenção das graças, pois nos olhos de Santa Sara, tudo está contido: a força de Deus, a força da mãe, a força do amor da irmã e da mulher, a força das mãos, a energia, o sorriso, a magia do toque e a paz. E assim, todos que buscam graças no seu olhar, retornam sempre aos pés de Santa Sara para agradecer.

Embora seja uma santa da igreja católica canonizada em 1712, até hoje a própria Igreja omite o seu culto.
Além de trazer saúde e prosperidade, Sara Kali é cultuada também pelas ciganas por ajudá-las diante da dificuldade de engravidar. Muitas que não conseguiam ter filhos faziam promessas a ela, no sentido de que, se concebessem, iriam à cripta da Santa, em Saintes-Maries-de-La-Mer no sul da França, fariam uma noite de vigília e depositariam em seus pés como oferenda um diklô, o mais bonito que encontrassem. E lá existem centenas de lenços, como prova que muitas ciganas receberam esta graça.

* ORAÇÃO À SANTA SARA *

SARA, SARA, SARA, fostes escrava de José de Arimatéia, no mar fostes abandonada (pedir para que nada nos abandone: amor, saúde, dinheiro, felicidade...) teus milagres no mar sucederam e como santa te tornastes, a beira do mar chegastes e o "CIGANOS" te acolheram, SARA, Rainha, Mãe dos Ciganos ajudaste e a ti eles consagraram como sua protetora e mãe vinda das águas.

SARA mãe dos aflitos, a ti imploro proteção para o meu corpo, luz para meus olhos enxergarem até no escuro (pedir força para os seus olhos, vidência), luz para o meu espírito e amor para todos os meus irmãos: brancos, negros, mulatos, enfim a todos os que me cercam.
Aos pés de Maria Santíssima, tu, SARA me colocarás e a todos os que me cercam para que possamos vencer as agruras que a terra nos oferece.

SARA, SARA, SARA, não sentirei dores nem tremores, espíritos perdidos não me encontrarão e assim como conseguistes o milagre do mar, a todos que me desejarem mal, tu com as águas me fará vencer (quando a pessoa não está bem e querendo resolver algo muito importante beber três goles de água).

SARA, SARA, SARA, não sentirei dores nem tremores, continuarei caminhando sem para assim como as caravanas passam, no meu interior tudo passará e a união comigo ficará e, sentirei o perfume das caravanas que passam deixando o rastro de alegria e felicidade, teus ensinamentos deixarás.

Amai-nos SARA, para que eu possa ajudar a todos que me procurem, ajudados pelos poderes de nossos irmãos Ciganos, serei alegre e compreensivo(a) com todos os que me cercam.
Corre no Céu, corre na Terra, corre no Mundo e SARA, SARA, SARA estará sempre na minha frente, sempre atrás, do lado esquerdo, do lado direito.
E assim dizemos:
somos protegidos pelos Ciganos e pela SARA que me ensinará a caminhar e perdoar.
Reze 3 Ave Marias (1a para SARA, 2a para os Ciganos e a 3a para você)

quarta-feira, 19 de maio de 2010

ÍNICIO DA INCORPORAÇÃO

O grande medo de todo médium que inicia sua caminhada na Umbanda é o da incorporação consciente. Nove entre dez médiuns sentem-se inseguros em suas primeiras incorporações. 
É muito comum ouvirmos frases do tipo “Eu vejo tudo, não posso estar em transe”. A culpa dessa dúvida que assola nossos terreiros é dos próprios dirigentes que não esclarecem aos iniciantes como é esse processo e dos irmãos mais antigos que insistem em dizer que são totalmente inconscientes, talvez para valorizar a sua (deles) mediunidade ou com medo de serem tachados de mistificadores. 
Acalmem-se todos! Há muitos anos as entidades deixaram de usar a inconsciência como fator preponderante para o bom trabalho exercido pelo médium. Muito pelo contrário, hoje sabemos que noventa e cinco por cento dos médiuns são conscientes ou semiconscientes. A inconsciência completa é muito rara e pouquíssimas vezes revelada, justamente para não causar essa insegurança tão presente em nossa religião. 
Pensemos no exemplo da água misturada ao açúcar. Quando adicionamos um ao outro teremos um terceiro liquido inteiramente modificado, mas com ambos os elementos nele. Assim se processa a incorporação, a mente do médium aliada à energia gerada pela entidade que se aproxima , unem-se em perfeita harmonia e conseguem, utilizando os conhecimentos de ambos, um trabalho mais compacto e correto. Não se acanhem em dizer que são conscientes, pois a insistência dessa postura pode levá-los a falhas que aí sim, darão margens à suspeitas de mistificação. 
Nos primeiros anos da Umbanda havia a necessidade da inconsciência, os médiuns tinham vergonha de entregar-se ao trabalho sem reservas. Como deixar que um espírito se arrastasse pelo chão falando como criança? Ou ainda sentasse em um banco com um pito na boca? Eram atitudes que assustariam o aparelho e o levariam a afastar aquela entidade. Com a evolução constante da lei, todos conhecem perfeitamente as capas fluídicas que nossas entidades usam e não existe mais a necessidade delas esconderem de seus médiuns a forma com que se apresentam. 
O cuidado a se tomar nos terreiros cabe aos dirigentes com informação e doutrina abundante para que o velho fantasma da insegurança se afaste de vez de nossas casas.

Luiz Carlos Pereira
http://pt.shvoong.com/humanities/religious-studies/1654452-vejo-tudo-estou-mistificando/

domingo, 9 de maio de 2010

SALVE OS PRETOS VELHOS 13 MAIO

MEU GRANDE SALVE AO NOSSOS QUERIDOS PROTETORES, ESPÍRITOS DE GRANDE ELEVAÇÃO QUE JÁ PASSARAM POR VÁRIAS ENCARNAÇÕES, PORÉM PREFEREM SE MANIIFESTAR NA SIMPLICIDADE DE UM ESCRAVO (A), DE UM SOFREDOR (A), RELEMBRANDO AS DURAS PENAS QUE PASSARAM.
É MUITO DIFICIL HOJE EM DIA ALGUEM DIZER QUE NUNCA OUVIU FALAR DOS PRETOS VELHOS OU VOVÔS E VOVÓS, MAIS PRA QUEM AINDA NÃO SABE QUEM REALMENTE ELES SÃO VOU EXPLICAR COMO EU OS VEJO.
SÃO ESPIRITOS DE MUITA SABEDORIA, QUE VIVERAM VÁRIAS ENCARNAÇÕES PORÉM A QUE ELES ESCOLHERAM PARA PRESTAR A CARIDADE FOI TALVEZ A MAIS DURA DELAS. PRETO VELHO NÃO QUER DIZER NECESSARIAMENTE QUE O ESPIRITO SEJA NEGRO, DE CABELOS BRANCOS E VELHINHO, ELES PODEM TER VARIAS APARENCIAS, INCLUSIVE TER SIDO TAMBEM EM ALGUMA ENCARNAÇÃO UM SINHOZINHO, UM ESCRAVOCRATA, UM FEITOR ENFIM SE APRESENTAM COMO PRETO VELHOS PELA HUMILDADE E CARIDADE QUE REPRESENTAM, NOS DANDO SÁBIOS CONSELHOS, CURANDO VARIOS ENFERMOS.
SÃO MUITO AMOROSOS POR ISSO A DENOMINÇÃO DE VOVÔS E VOVÓS, MAIS NÃO VENHAM ATÉ ELES COM MÁS INTENÇÕES, POIS ACABARÃO SE ARREPENDENDO AMARGAMENTE NÃO SÓ PELO QUE IRIAM PEDIR MAIS TAMBÉM POR TODO O MAL QUE FIZERAM DURANTE SUAS VIDAS. NÃO IMPORTA O TEMPO QUE DEMORE UM PRETO VELHO SEMPRE TOCA O CORAÇÃO DE UM ESPIRITO, SEJA UM DOENTE DO CORPO OU UM DOENTE DA ALMA.

AS SETE LÁGRIMAS DO PAI PRETO

Foi uma noite estranha aquela noite queda; estranhas vibrações afins penetravam meu Ser Mental e me faziam ansiado por algo que pouco a pouco se fazia definir...
Era um quê desconhecido, mas sentia-o como se estivesse em comunhão com minha alma e externava a sensação de um silencioso pranto...
Quem do mundo Astral emocionava assim um pobre “eu”? Não o soube até adormecer ... e sonhar.
Assim, vi meu “duplo” transportar-se, atraído por cânticos que falavam de Aruanda. Estrela Guia e Zambi; eram as vozes da Senhora da Luz Velada, dessa Umbanda de todos Nós, que chamavam seus filhos de fé...
E fui visitando Cabanas e Tendas, onde multidões desfilavam, mas, surpreso ficava com aquela visão que em cada um eu via: invariavelmente, num canto, pitando, um triste Pai-Preto chorava. De seus olhos molhados, esquisitas lágrimas desciam-lhe pelas faces e, não sei porque, contei-as ... foram sete. Na incontida vontade de saber, aproximei-me e interroguei-o: fala Pai-Preto, diz a teu filho,, porque externas assim tão visível dor?
E ele, suave, respondeu: estás vendo essa multidão que entra e sai? As lágrimas contadas, distribuídas estão a cada um deles.
A primeira eu a dei a esses indiferentes que aqui vêm em busca de distração, na curiosidade de ver, bisbilhotar, para saírem ironizando daquilo que suas mentes ofuscadas não podem conceber...
Outra, a esses eternos duvidosos que acreditam, desacreditando, na expectativa de um milagre que os faça alcançar aquilo que seus próprios merecimentos negam.
E mais outra foi para aqueles que crêem, porém numa crença cega, escrava de seus interesses estreitos. São os que vivem eternamente tratando de “casos” nascentes, uns após outros.
E outra mais que distribuí aos maus, àqueles que somente procuram a Umbanda em busca de vingança; desejam sempre prejudicar a um seu semelhante – eles pensam que nós, os GUIAS, somos veículos de suas mazelas, paixões, e temos obrigação de fazer o que pedem ... pobres almas, que das brumas ainda não saíram.
Assim, vai lembrando bem, a quinta lágrima foi diretamente aos frios e calculistas – não crêem, nem descrêem: sabem que existe uma força e procuram se beneficiar dela de qualquer forma.
Cuida-se deles mas não conhecem a palavra GRATIDÃO. Negarão amanhã até que conheceram uma casa de Umbanda ...
Chegam suaves, têm o riso e o elogio à flor dos lábios, são fáceis mas, se olhares bem seus semblantes verás escrito em letras claras: CREIO NA TUA UMBANDA, NOS TEUS CABOCLOS E NO TEU ZAMBI, MAS SOMENTE SE VENCEREM O MEU CASO, OU ME CURAREM DISSO OU DAQUILO ...
A sexta lágrima eu a dei aos fúteis que andam de Tenda em Tenda, não acreditam em nada, buscam apenas aconchegos e conchavos; seus olhos revelam um interesse diferente ... sei bem o que eles buscam ...
E a última, filho, notaste como foi grande e como deslizou pesada ... Foi a ÚLTIMA LÁGRIMA, aquela que vive nos olhos de todos os Pretos Velhos; fiz doação dessa aos vaidosos, cheios de empáfia, para que lavem suas máscaras e todos possam vê-los como realmente são ...
Cegos guias de cegos. Andam se exibindo com a Banda, tal qual mariposas em volta da Luz; essa mesma LUZ que eles não conseguem VER, porque só visam à exteriorização de seus próprios EGOS ...
Olhai-os bem. Vede como suas fisionomias são turvas e desconfiadas; observai-os quando falam “doutrinando”; suas vozes são ocas, dizem tudo de cor e salteado, numa linguagem sem calor, cantando loas aos nossos Guias e Protetores, em conselhos e conceitos de caridade, essa mesma caridade que não fazem, aferrados ao conforto da matéria e gula do vil metal. ELES NÃO TÊM CONVICÇÃO..
Assim, filho meu, foi para esses todos que viste cair, uma a uma, as SETE LÁGRIMAS DO PAI PRETO!
Então, com minha alma em pranto, tornei a perguntar: não tens mais nada a dizer, Pai-Preto?
E daquela forma velha, vi um véu caindo e, num clarão intenso que ofuscava tudo, ouvi mais uma vez ...
Mando a luz de minha transfiguração para aqueles que esquecidos pensam que estão ... ELES FORMAM A MAIOR DESSAS MULTIDÕES ...
São os humildes, os simples ... estão na Umbanda pela Umbanda, na confiança pela razão ... São seus FILHOS DE FÉ!
São também os “aparelhos”, trabalhadores, silenciosos, cujos “salários” de cada noite são pagos quase sempre com uma só moeda que traduz o seu valor numa única palavra – a INGRATIDÃO . .....................SEM MAIS COMENTÁRIOS!!!

Piada?

Um Pai-de-Santo, para definir bem a influência dos orixás nas pessoas contou uma estória: Simulemos um fato: Imaginem duas pessoas brigando.

Passando um filho de Ogum, ou ele passa direto e nem olha, ou já vai se meter na briga. Um filho de Xangô para, fica olhando, e já começa a reclamar. Coitado do baixinho! Porque será esta briga? Acho que aquele alto não tem razão. E pior, nem sabe brigar. É um fraco. E fica questionando. Um filho de Oxóssi para, senta no chão e, rindo, fica assistindo e se deleitando com a briga. Uma filha de Iemanjá chamaria os dois, colocaria suas cabeças em seu colo e os acalmaria recomendando paz. Uma filha de Iansã já reclamaria e chamaria a polícia. Alguém perguntou:_ E uma filha de Oxum, que faria?

Ele Respondeu:_ Nada, e nem poderia. Os dois estavam brigando por causa dela...